REGISTROS AKÁSHICOS SOBRE LIBERDADE EMOCIONAL

imagem retirada do blog Fairy


REGISTROS AKÁSHICOS SOBRE LIBERDADE EMOCIONAL
Uma mensagem dos Registros Akáshicos através de Jen Eramith MA, 15 de novembro de 2010 - Fonte: http://www.akashictransformations.com

Que mensagem teriam os Guardiões dos Registros Akáshicos sobre a emoção humana e a conquista da liberdade emocional?

Neste ponto do progresso da humanidade, é de vital importância que você entenda que liberdade emocional não significa estar livre das suas emoções; significa liberdade para experienciar suas emoções – para senti-las, explorá-las, entendê-las e liberá-las de um modo que esteja alinhado com o seu propósito de vida.

Existem diversas verdades gerais sobre emoções, que se aplicam a todas as pessoas, mas antes de descrever algumas delas, devemos salientar que a liberdade emocional só acontece quando você acolhe sua experiência emocional como um indivíduo, em vez de tentar aplicar sua experiência emocional à vida de outras pessoas ou tentar definir sua própria experiência emocional com base nas regras e expectativas dos outros.

Sempre que você julga ou direciona sua experiência emocional com base nas necessidades ou definições de outros, você limita sua liberdade emocional. Agora, é claro que sempre é útil aprender uns com os outros, e há muito a se ganhar comparando e discutindo suas experiências emocionais com outras pessoas. Mas lembre-se que a maneira melhor e mais agradável de estar com suas emoções é trazer constantemente sua atenção de volta àquilo que você sente e confiar no que sente e percebe.

Dito isto, as coisas que geralmente são verdade para todas as pessoas, em relação à experiência emocional, incluem o seguinte: todas as pessoas experienciam emoções. Isto é um fato inegável. Mesmo para aqueles que pensam que não experienciam emoções – sua experiência com emoções é simplesmente diferente da dos outros. Mesmo os seres humanos mais iluminados e compreensivos experienciam um fluxo progressivo de energia emocional. Ela faz parte daquilo que os torna humanos. Ela não pode e não poderia ser retirada da sua experiência humana, pois é o que o faz humano (além de algumas outras qualidades, como a de ter um corpo físico humano). Esta é a primeira generalização e a principal.

A segunda é que as emoções carregam uma grande dose de sabedoria e potencial energético para você. As emoções surgem em resposta a cada acontecimento que ocorre em sua vida. Existe energia emocional, como uma corrente de eletricidade, correndo pelo seu sistema o tempo todo. Geralmente, se você está vivendo, momento a momento, em alinhamento com seu sentido mais verdadeiro de Eu, você pode não notar o aparecimento de nenhuma emoção em particular. Suas emoções fluem como uma corrente de baixa voltagem através do seu sistema, até que acontece alguma coisa ou a energia muda, e essa corrente emocional dá um salto. Ela pode saltar numa só direção, dando-lhe a sensação de uma única emoção, como prazer ou tristeza. Ou pode saltar em várias direções de uma só vez, como quando você sente alívio e raiva ao mesmo tempo. Quando essa corrente emocional dá um salto, ela se eleva à sua consciência.

Através da socialização, a maioria das pessoas aprendeu meios de reprimir ou esconder ou por de lado suas emoções. Num nível básico, este é um processo muito útil, pois lhes dá a oportunidade de conduzir suas vidas sociais. Crianças pequenas, que ainda não aprenderam a por de lado ou conter suas emoções, muitas vezes perdem o controle do que estão fazendo quando são dominadas por suas emoções. Liberdade emocional não é se entregar a cada ímpeto de emoção cada vez que as emoções vêm à tona. Em vez disso, a liberdade emocional ocorre quando você é capaz de acolher sua emoção, no momento em que ela se manifesta, e reter aquele senso de Eu, através do qual você continua a decidir e dirigir conscientemente o seu comportamento, sua ação e comunicação. Deste modo, sua emoção não é reprimida permanentemente, mas você tem a capacidade de colocá-la temporariamente de lado, para deixá-la expressar-se no momento e local que lhe seja mais útil.

Aqueles que são pais de crianças pequenas aprenderam a fazer isto maravilhosamente bem. Você pode sentir-se frustrado com seu filho, mas escolher perceber essa emoção sem demonstrá-la nem compartilhá-la no momento em que ela ocorre, porque reconhece que, do contrário, você poderia confundir seu filho e possivelmente prejudicar a experiência emocional dessa criança. A mesma lição se aplica às interações entre adultos em todos os tipos de circunstâncias. É de vital importância que você esteja consciente das suas emoções e lhes dê tempo e espaço na sua vida para serem processadas, mas que sempre mantenha o seu Eu maior – aquela parte sua que é mais compreensiva, mais centrada e mais madura – no comando, decidindo constantemente o que compartilhar e o que segurar para mais tarde, para ser manifestado num ambiente apropriado. Para fazer isto, você deve observar e acolher constantemente suas emoções e, simultaneamente, observar e avaliar seu ambiente, suas metas e objetivos, e sua intuição. Não existe nenhum modo perfeito de se fazer isto.

A liberdade emocional só ocorre através do processo da dança. Ela nunca é perfeita e nunca é a mesma em cada repetição. Isto vale para as suas emoções. Um dia você pode estar com raiva e decidir que deve sair dessa situação para poder se manter em integridade com seu bem mais elevado. Num outro dia, você pode passar pela mesma situação, sentir raiva de novo, e achar que é capaz de manter a raiva separada da sua reação à situação. Você percebe a raiva, segura-a na sua consciência, e escolhe um comportamento que não seja baseado na reação de raiva, mas que seja uma resposta mais refinada baseada no que o seu Eu maior decide que é mais apropriado, dadas as restrições e necessidades da sua situação. Quando fizer isto, será necessário descarregar a raiva mais tarde, num local mais adequado. A liberdade emocional nunca será um estado estático, permanente.

Ela acontece como uma dança em andamento, exigindo sua atenção, exigindo carinho por si mesmo e pelos outros, exigindo que você se mantenha desperto, vivo e aberto para fazer escolhas baseadas na experiência genuína das suas emoções. Isto é flexibilidade e responsabilidade nas reações. Seu estado natural é ser flexível deste modo – sempre desejando acolher suas emoções, conforme elas surgem, e decidir o que estiver em maior sintonia com o seu bem maior, em amor e respeito pela situação que o envolve. Você pode pensar que uma forma de conduzir essa dança é considerando a diferença entre reação e resposta. Enquanto estiver dançando a sua própria dança pessoal de liberdade emocional, observe que, quando uma emoção aparece, ela é imediatamente seguida por uma reação. A raiva pode levar a palavras ásperas – mentalmente ou em voz alta; a tristeza pode levar a uma sensação de impotência e a uma necessidade de culpar outros pela sua situação. No instante em que uma emoção desponta, uma reação se faz disponível.

Algumas pessoas vivem num ciclo perpétuo de reação, constantemente sendo sacudidas por acontecimentos que levam suas emoções a cair em reações. O motivo de algumas pessoas acharem que ter liberdade emocional é estar livre das emoções é que elas podem ter dificuldade para diferenciar entre suas emoções e as reações que estas provocam nelas. A liberdade emocional ocorre quando você sente livremente suas emoções, mas se recusa a cair em pensamentos e comportamentos reacionários. A liberdade emocional ocorre quando você escolhe desenvolver uma resposta intencional baseada nas suas emoções.

Uma resposta é o que ocorre quando você sente uma emoção, a vontade de reagir aparece, mas em vez de se entregar a essa vontade, você se centra naquela sua parte mais elevada que é capaz de ver o quadro maior, e mantém um sentido de integridade consigo mesmo. Essa parte mais elevada de você – essa mente centrada – decidirá qual será a sua resposta. Você vai juntar mais informações ao observar e acolher a emoção e a reação que ela desperta em você, enquanto procura pistas e sinais no seu ambiente, ouve o ponto de vista de outros e considera a posição da outra parte, usando a empatia.

Através desta reunião de informações, que pode levar poucos segundos ou até alguns dias, você desenvolve uma resposta. Você decide quais as ações e palavras que usará para melhor respeitar suas emoções, enquanto mantém o foco no que você deseja ser e no seu propósito de vida, com tanta integridade quanto for possível, conforme os seus recursos.

Há muito mais orientações que você receberá sobre como conquistar a liberdade emocional. Neste momento, a informação mais importante a receber dos Registros Akáshicos em relação à liberdade emocional é que ela só acontece quando você acolhe suas emoções – quando você se permite a liberdade de experienciar suas emoções de modo a descobrir a sabedoria e o poder que existe dentro de você mesmo!

Copyright © Akashic Transformations 2005 – 2008. Todos os direitos reservados.
Os Artigos “Os Registros Akáshicos sobre…” são canalizados dos Registros Akáshicos por Jen Eramith MA para Akashic Transformations (http://www.akashictransformations.com). 
Nós o encorajamos a compartilhar esta mensagem com seus amigos e entes queridos, desde que mantenha seu conteúdo completo e que todos os créditos sejam dados à autora.
Tradução de Vera Corrêa veracorrea46@ig.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ORAÇÃO AO JUSTO JUIZ - ORAÇÃO DA PROSPERIDADE - ORAÇÃO DE AGRADECIMENTO

NÓDULOS LUNARES - DESCUBRA QUAL É O SEU CARMA

OS SIGNOS DO ZODÍACO: SUAS CORES, PEDRAS, FLORES... - 1ª PARTE - DE ÁRIES A VIRGEM